Esse ano fizemos a segunda edição do arraial de mães do Araripe, e foi um sucesso!!


Cada uma das mães ajudou como pode: a Luana reservou o salão de festas do condomínio dela, a Miriela decorou, a Júlia emprestou os enfeites, a Odessa selecionou a playlist de músicas, eu arrumei as brincadeiras, a Alessandra indicou a fotógrafa e o painel de fotos, a Taíse ajudou a retirar a decoração ao final da festa e cada mãe levou um prato e uma bebida para compartilharmos. Ufa! Foi uma correria arrumar tudo, mas foi muito legal!!

A fotógrafa Adriane registrou nosso arraial com lindas fotos:

ORGANIZADORAS:
Luana, Taíse, Alessandra, Odessa, Miriela, Eu e Júlia



Durante a gestação, eu sofro muito com o intestino preso. Além do mau humor, a barriga fica inchada e ninguém merece ficar sem ir ao banheiro por dias seguidos, não é mesmo?!

Foi então que vi no site Boas Mães uma receita natural para acabar com a constipação, e resolvi compartilhar a receita, fácil de ser feita e que, segundo a Elaine, dá certo!

Suco laxativo

Ingredientes:
  • Metade de um mamão bem maduro
  • Duas ameixas sem caroço (deixar num copo com água na noite anterior)
  • Suco de duas laranjas

Modo de fazer:

Bater tudo no liquidificador, com duas pedras de gelo.

Tomar todos os dias, pela manhã (ou comer com colher, dependendo da consistência).

Aumentar o consumo de água também ajuda muito. 

Beijos!!


Em maio, a Gabi do Maternar e Brincar realizou a quinta edição do Encontro de Brincadeiras Sensoriais para Bebês, no Quintal, e eu levei as meninas para prestigiarem mais esse evento, que eu tinha certeza que seria maravilhoso, tanto pelo local, quanto pela organizadora. 


Que tal preparar esses cookies super fáceis junto com a garotada? Rebeca amou preparar comigo:

Ingredientes:
2 bananas grandes
1 xícara de aveia em flocos


Modo de preparo:
  • Misture os dois ingredientes até formar uma massa – como bananas podem ter diferentes tamanhos, talvez você tenha que acrescentar mais uma, ou um pouco mais de aveia. A ideia é não ficar nem mole demais, nem seca demais.

  • Assar no forno a 180º graus por 15 minutos, em uma assadeira untada. Experimente untar com óleo de coco. Não se esqueça dessa parte, ou você vai esfregar sua forma pra sempre!

Você também pode adicionar o que soa gostoso para você! Ou nada. Mas aqui vão algumas sugestões:

– gotas ou lascas de chocolate;
– pedacinhos de nozes, amêndoas, amendoim;
– canela em pó;
– frutas secas

Receita e foto originalmente publicadas em: The Burlap Bag

Fonte: Lar Natural

A amamentação pode ser um contraceptivo natural caso estejam presentes as seguintes condições, concomitantemente (todas elas devem ser cumpridas):
· a mãe esteja amamentando exclusivamente seu bebê com leite materno (sem uso de leite artificial ou chupeta, pois estes podem alterar o poder de sucção do bebê e assim alterar a cessação da ovulação),
·   a amamentação seja feita em livre demanda (quando o bebê mama com frequência o leite materno, dia e noite, sem horários pré determinados pela mãe)
· a mulher não tenha tido nenhuma menstruação e
·  o bebê tenha até 6 meses de idade.

Elis Freitas Fotografia
Para aliviar a dor das contrações sentidas durante o trabalho de parto, existem dois tipos de recursos que a gestante pode utilizar:
  1. Métodos naturais de alívio da dor:
Inclui banho de chuveiro ou imersão, massagens, liberdade de movimentação, uso de bola de pilates, compressas quentes, dentre outras. A vantagem é que não oferecem riscos e nem provocam efeitos colaterais.

  1. Métodos medicamentosos de alívio da dor:
Dentre eles estão as analgesias e as anestesias, que são diferentes:

-> A parturiente que recebe uma analgesia consegue ficar em pé, andar, acocorar-se e sentir as contrações, ainda que com menos dor.
-> Ao contrário, uma mulher anestesiada, embora possa se manter consciente, perde todas essas possibilidades, ficando inerte da cintura para baixo.



Muitas mulheres temem optar pelo parto normal em razão da dor das contrações.

Esse era um grande receio na minha primeira gestação, já que a dor do parto é desconhecida pela maioria das mulheres. É uma dor incomparável. Só a conhecemos quando passamos por ela.

Muitos falam ser a dor da morte, e eu fui para o meu primeiro parto pensando nisso. Fui preparada para uma guerra! Mas ao passar por ela, percebi que aquela dor não era tão ruim quanto me falaram. 

Parir dói muito, mas, para mim, não foi uma dor de morte! Foi uma dor de vida! Dilaceradora, mas necessária para que eu trouxesse minhas filhas à vida. 

Nesse post, vou tentar descrever como é a dor do parto.




A Rebeca desfraldou totalmente com 3 anos. Mas não foi um processo rápido, nem fácil. 

Tivemos muita ajuda da escola e da minha família nesse processo.

Tudo começou com a minha mãe. Quando eu voltei a trabalhar, foi ela quem cuidou da Rebeca, porque eu não tinha confiança em mais ninguém para realizar essa tarefa tão preciosa. Então a Rebeca ficava diariamente na minha mãe por 8 horas seguidas, enquanto eu estava no trabalho.